terça-feira, 20 de setembro de 2011

Propaganda & Pop art

Pop art (ou Arte pop) é um movimento artístico surgido na década de 1930 no Reino Unido e nos Estados Unidos. Nas décadas de 40 e 50 ocorre o ápice do pop art. Lawrence Alloway foi o criador e um dos principais participantes.


A pop art propunha que se admitisse a crise da arte que assolava o século XX e pretendia demonstrar com suas obras a massificação da cultura popular capitalista. Procurava a estética das massas, tentando achar a definição do que seria a cultura pop, aproximando-se do que costuma chamar de kitsch.



Diz-se que a Pop art é o marco de passagem da modernidade para a pós-modernidade na cultura ocidental
-------------------------------------------------------------------------------------------
Nossos alunos do 9º ano são levados a pensar e refletir sobre a Pop Art, muitos empregos foram criados para os artistas, e isso foi muito bom, em contra partida os talentos artísticos foram usados para vender todo tipo de coisa através das propagandas e campanhas publicitárias, e isso ainda é muito ruim. Por falar em propaganda ruim, os alunos criticaram algumas campanhas publicitarias, e você pode ler algumas delas aqui e agora:

Eu acho patética a propaganda da ‘GLOBO.COM’, oferecendo ás pessoas séries, filmes e futebol por 1 real. Os meninos da propaganda ficam correndo atrás de um porquinho de louça, como se ele realmente pudesse correr deles. O dinheiro que eles gastam atrás do porquinho fazendo cartazes de procura-se, já ultrapassou 1 real, fazendo deles grandes idiotas. A propaganda é chata e enjoativa.

Wanderson Pena – 901/CIEP 280


Um cara parado na estrada, com o seu carro enguiçado, pede carona para outro que está passando para  leva-lo ao posto de gasolina. O carro do sujeito é confortável, bom , veloz e etc... Voltando do posto, ele está tão decepcionado com o seu carro, que ao invés de abastecer de  gasolina e sair do deserto, ele a despeja sobre o carro e taca fogo. Ridículo!!! Ele poderia ter vendido o carro para dar entrada na compra do outro, e pior, continuou no meio do deserto.
Alex – 901/CIEP 280 



Nenhum comentário:

Postar um comentário